Governo do Rio de Janeiro Rio Poupa Tempo na Web Governo Aberto RJ Página inicial
Aumentar letra    Diminuir letra    Letra normal
Compartilhe nas mídias sociais  
Home :: Plantão dengue :: Notícias

Notícias

Fiocruz Pernambuco desenvolve teste para diagnóstico de zika
Brasil - 20/03/2019

Essa tecnologia tem a vantagem de ser bem mais rápida, diminuindo de 5h para menos de 1h o tempo para obter o resultado

Fiocruz Pernambuco desenvolve teste para diagnóstico de zika

Uma nova técnica para detecção do vírus zika, mais sensível e barata que a PCR em tempo real, mostrou-se eficiente nos testes com amostras de mosquitos. Desenvolvido no mestrado em Biociências e Biotecnologia em Saúde pelo aluno Severino Jefferson, com a orientação do pesquisador Lindomar Pena, o projeto conta ainda com a participação dos pesquisadores da Fiocruz Pernambuco Constância Ayres e Fábio Melo e outros profissionais dos departamentos de Virologia, Entomologia e Parasitologia da instituição. Intitulado Development and Validation of Reverse Transcription Loop-Mediated Isothermal Amplification (RT-LAMP) for Rapid Detection of ZIKV in Mosquito Samples from Brazil, o estudo foi publicado na revista Nature - Scientific Reports.

Essa tecnologia, denominada amplificação isotérmica mediada por alça (RT- Lamp), também tem a vantagem de ser bem mais rápida do que a PCR, diminuindo de 5h para menos de 1h o tempo necessário para obter o resultado. Trata-se de uma ferramenta que pode ser utilizada em qualquer lugar, na forma de kit rápido, pois não depende de equipamentos caros e sofisticados, restritos a laboratórios especializados, como é o caso da PCR. Outra vantagem é o custo para a realização de cada teste, de apenas R$1. Quarenta vezes mais barato que a PCR, que tem custo individual de R$40.

Na sua forma simplificada, o teste consiste em macerar a amostra de mosquito e colocar no tubo com o reagente. Após aguardar por cerca de 20 a 40 min é só observar a cor da mistura. Se ficar laranja, é negativo, mas se o líquido se tornar amarelo, indica presença do vírus zika. “A ideia é que se possa coletar, macerar o mosquito em campo – em plena Amazônia, por exemplo - e obter o resultado lá mesmo”, declarou à Agência Fiocruz de Notícias Severino Jefferson. Com humanos, se poderá coletar saliva ou urina do paciente com suspeita de zika, realizar o teste e obter a resposta na mesma hora.

Saiba mais sobre a pesquisa aqui.

Fonte: Agência Fiocruz de Notícias


Denúncia de focos



As secretarias Municipais de Saúde são as responsáveis pelo combate direto ao mosquito.

Clique aqui e veja como entrar em contato com a secretaria de sua cidade.
Acompanhe o Rio Contra Dengue nas mídias sociais

Facebook Twitter Youtube
Secretaria de saúde
Links interessantes:
PET Rio sem fumo Rio imagem Rio com Saúde Xô, Zika !!


Alguns direitos reservados
Esta obra é licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 3.0 Brasil